16.2 C
São Paulo
sexta-feira, 27 maio, 2022
Mais

    Obras de duas Unidades de Pronto Atendimento na Zona Sul são reiniciadas pela Prefeitura

    Mais lidas

    Cada UPA terá 20 novos leitos para auxiliar no atendimento da atenção básica e de média complexidade na região Sul. O último boletim divulgado pela Prefeitura, com dados sobre o coronavírus, revelou que a Zona Sul da cidade registrou mais de 1.500 mortes (suspeitas e confirmadas)


    A Prefeitura retomou as obras de duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), na Zona Sul: em Parelheiros e no Jabaquara, que deveriam ter sido entregues em 2016.

    Ambas terão 7 leitos de urgências; salas de ortopedia, raio-x, de gesso, suturas, esterilização/expurgo e triagem; 6 consultórios médicos; 1 consultório odontológico; sala de medicação; 7 poltronas de inalação adulto e 7 infantis; coleta de exames; sala de eletro cardiograma; 2 salas de avaliação; 14 leitos de observação adulto e 4 infantil e 2 salas de isolamento. Além de farmácia e áreas administrativas e de serviço social.

    Segundo a gestão municipal, a UPA Parelheiros vai auxiliar no atendimento da atenção básica e de média complexidade na região Sul, sendo “a porta de entrada do Hospital de Parelheiros que fica aqui ao lado”, conforme descreveu o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

    Já a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jabaquara está sendo construída em um espaço anexo ao Hospital Municipal da região. Para o prefeito Bruno Covas, se essa unidade tivesse sido entregue, a cidade contaria com mais leitos de UTI, beneficiando pacientes da Zona Sul, região que abriga muitas comunidades.

    “O Jabaquara é um dos bairros da cidade com maior concentração de comunidades. Aqui na cidade de São Paulo o coronavírus mata 10 vezes mais na periferia por uma série de problemas. O vírus escancara a divergência que nós temos de tratamento entre a população mais rica e a população mais pobre da cidade”, disse o prefeito.

    O último boletim divulgado pela Prefeitura, com dados sobre o coronavírus, revelou que a Zona Sul da cidade registrou mais de 1.500 mortes (suspeitas e confirmadas), até o dia 27 de maio. Levando em consideração os 20 distritos mais pobres da cidade, a Zona Sul também registra aumentos expressivos na quantidade de óbitos, entre 17 de abril e 27 de maio: segundo a Secretaria Municipal de Saúde, as mortes nesse período aumentaram 578% no Jardim Ângela; 454% no Grajaú; 541% em Parelheiros; 393% no Capão Redondo e 391% em Pedreira.

    De acordo com o mesmo relatório, em alguns bairros da capital paulista, a grande quantidade de óbitos por Covid-19 está estritamente relacionada a uma grande movimentação de pessoas, o que indica desrespeito às regras de distanciamento social, a medida mais eficaz para evitar o contágio pela doença.

    Nesta sexta-feira (5), o Estado de São Paulo registrou a marca de 130.565 casos de pessoas infectadas pelo coronavírus e 8.842 mortes, sendo 281 mortes confirmadas nas últimas 24 horas.

    NOVO HOSPITAL NA ZONA SUL

    No fim do mês passado, a Prefeitura também anunciou que, ainda em junho, vai abrir um hospital na Zona Sul: com 80 leitos de UTI e 60 de enfermaria, o Hospital Guarapiranga vai ocupar o local do antigo Hospital das Irmãs Hospitaleiras, que teve as atividades encerradas em março de 2017.


    FALE COM A REDAÇÃO: reportagem@gruposulnews.com.br

    - Patrocinado -

    Leia mais

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    - Patrocinado -

    Últimas