Governo de SP indica implantação de nova quarentena a partir de 1º de junho

0
357

A “quarentena inteligente”, conforme descreveu o governador João Doria, vai levar em consideração a situação da pandemia em cada região do Estado de São Paulo, com a reabertura do comércio definida por etapas, que incluem: taxa de isolamento, redução do número de novos casos e ocupação dos leitos de UTI


A quarentena no Estado de São Paulo termina no próximo domingo (31) e, segundo o governador João Doria, a partir do dia 1º de junho o Estado inicia uma nova quarentena, chamada de “inteligente”, que vai levar em consideração a situação da pandemia em cada região do Estado de São Paulo. Portanto, um lockdown não será implantado neste primeiro momento.

“Nós teremos uma nova quarentena, mas será uma quarentena inteligente. Ela vai levar em conta toda a regionalização de São Paulo, no interior, capital, região metropolitana, litoral. Neste momento não há perspectiva de lockdown imediato. Neste momento, não vamos decretar em nenhuma cidade. Mas o olhar é diário, temos o sistema de monitoramento inteligente”, disse Doria.

O Plano São Paulo, que estabelece as regras da nova quarentena, será divulgado amanhã (27) junto com o prefeito Bruno Covas. O Plano prevê que a reabertura do comércio aconteça em quatro etapas, definidas pelo Comitê de Contingência para o Coronavírus, que vai avaliar os indicadores de saúde de cada região.

Para reabrir o comércio, será preciso que as cidades do Estado sigam os seguintes critérios:

  • taxa de isolamento de, pelo menos, 55%
  • redução do número de novos casos por 14 dias seguidos
  • ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva abaixo dos 60%

Cada região, então, será classificada conforme a evolução da pandemia, considerando três níveis de risco, de acordo com a gravidade da doença: zona vermelha, amarela e verde. O Comitê de Contingência para o Coronavírus vai avaliar as regiões para determinar o avanço de fase (maior relaxamento da economia) ou retrocesso (mais restrição do comércio).

A região que cumprir estes critérios poderá reabrir na primeira fase os comércios com área de venda igual ou superior a 400 m², incluindo lojas de shoppings.

Seguem para a segunda fase do plano as regiões que mantiverem os mesmos indicadores positivos por 14 dias seguidos, podendo abrir lojas com mais de 400 m². Depois de outros 14 dias estáveis, será permitida a abertura de hotéis.

A quarta etapa do Plano São Paulo, que deve acontecer a partir do dia 20 de julho, prevê a reabertura de cinemas, teatros, igrejas, parques e academias, clubes esportivos, creches, escolas e universidades.

A cidade que registrar índice negativo em algum dos indicadores, volta para a fase anterior da quarentena.  

No geral, o Estado de São Paulo registrou, na última segunda-feira (25), 73% de ocupação dos leitos de UTI. O índice é maior na Grande São Paulo, com mais de 86% dos leitos de UTIs ocupados com pacientes de coronavírus.

FERIADOS ANTECIPADOS EM SP

Para estimular o isolamento social, a Prefeitura e o Governo de São Paulo anteciparam alguns feriados, com pedidos para que as pessoas usassem estes dias para ficar em casa e evitar a proliferação do vírus, antes do fim da quarentena.

Os feriados municipais de Corpus Christi (11 de junho) e Consciência Negra (20 de novembro) foram antecipados para os dias 20 e 21 de maio, com ponto facultativo no dia 22. Na última segunda-feira (25), foi antecipado o feriado estadual de 9 de julho.

Dos seis dias de feriadão, que incluíram o final de semana, apenas no domingo (24) foi registrada uma marca satisfatória de isolamento: 55% no Estado e 57% na capital. Nos outros dias, a taxa não passou de 51%.  


FALE COM A REDAÇÃO[email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.