Polícia prende homem que fazia compras em shopping de luxo da Zona Sul com cartões clonados

0
375

Entre os objetos apreendidos, foram encontrados dois tênis de grife, avaliados em R$ 6.520, e três celulares, avaliados em R$ 6.915. O criminoso foi encontrado na Av. Chucri Zaidan, no Brooklin


Um homem de 37 anos foi preso na Zona Sul por fazer compras com cartões clonados, em um shopping no bairro do Morumbi. A equipe de segurança do shopping que suspeitou do homem porque câmeras de monitoramento de outros locais já o haviam flagrado praticando os mesmos delitos.

Quando os PMs do 15º DP Itaim Bibi chegaram, o criminoso tinha acabado de sair do shopping, após fazer uma compra de R$ 6.520. Os policiais, então, foram em busca do homem no endereço da dona do veículo. No local, os PMs descobriram que o criminoso é ex-marido dela.

Uma outra equipe de PMs do 15º DP fizeram o emplacamento do veículo do criminoso através do Sistema Detecta (sistema de monitoramento inteligente), para conseguir sua localização.

O criminoso foi encontrado na Av. Chucri Zaidan, no Brooklin. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “foi realizada abordagem e encontradas diversas mercadorias com as respectivas notas fiscais, seis cartões e 11 chips de cartões bancários, além de tesoura, uma colher de pau pequena, duas facas, três tubos de cola e R$5.782 em espécie”. Entre os objetos, foram encontrados dois tênis de grife, avaliados em R$ 6.520, e três celulares, avaliados em R$ 6.915. Os itens foram devolvidos às lojas.

Após prisão em flagrante, o homem foi indiciado por estelionato e falsa identidade.

ESTELIONATO DIGITAL

Nos últimos meses, uma versão do estelionato se tornou comum: o digital. Através do sequestro da conta de um aplicativo de mensagens, criminosos fingem ser as vítimas donas da conta roubada e pedem dinheiro aos seus contatos, alegando sequestro, doença, dívidas.

O primeiro passo para que os bandidos descubram o número de celular das vítimas é através da lista de membros de um grupo, em plataformas de comércio online ou na lista de contato de pessoas que já foram vítimas.

Então, a linha telefônica é clonada, o que pode acontecer pela ajuda de funcionários das próprias operadoras de telefone. Os contatos das vítimas, para quem os criminosos ligam, ouvem uma história bem convincente de ajuda, além disso: os bandidos pedem que eles digitem um código de seis dígitos.

Vítimas desse tipo de crime devem registrar boletim de ocorrência, reativar a conta no aplicativo e entrar em contato com a operadora de telefone para reaver a linha.


FALE COM A REDAÇÃO
Sugestões de pauta, envie email para: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.