Moradores reclamam do barulho e trânsito de caminhões em rua da Zona Sul

0
101

Os caminhões pertencem a um frigorífico de carnes e, segundo os moradores, além dos veículos se movimentarem de ré porque a rua é muito estreita, fazem barulho durante a madrugada. Como os caminhões são grandes, funcionários já foram flagrados amarrando os fios elétricos da rua para que os caminhões não os derrubem. Além disso, moradores reclamam de placas de sinalização falsas que surgiram na via, impedindo veículos de estacionar


Moradores da Rua Silvia de Barros, região de Pedreira, estão incomodados com o trânsito de caminhões e o barulho feito pelos veículos. De acordo com um morador, os caminhões pertencem a um frigorífico de carnes localizado na mesma via.

Acontece que a Rua Silvia de Barros é muito estreita para veículos grandes, então, para entrar no frigorífico, os motoristas precisam fazer a manobra de ré, o que inviabiliza o trânsito de outros carros que tem que esperar a manobra ser completada. “Demora vários minutos até ele vir de ré do começo da rua até entrar no galpão. E nisso, toda vez é cometida uma infração de trânsito, haja vista que ré é só para pequenas manobras e não transitar em ré”, diz um morador.

Além disso, os caminhões transitam 24 horas por dia, inclusive de madrugada. Como a movimentação é feita de ré, a sirene de ré dos caminhões é acionada.  “Eles não tem hora para trabalhar. Fazem barulho a madrugada inteira. Ninguém aguenta mais. Ninguém na rua dorme com barulho de caminhão a noite toda”, completa o morador.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que “vistoriou a via na tarde de quinta-feira (20), não sendo constatado trânsito de veículos em marcha a ré na ocasião. Novas rondas serão realizadas e, caso haja flagrante, o veículo será autuado. Com relação ao horário de circulação de caminhões, nesta rua não há restrição à circulação. Para solicitar fiscalização de trânsito ou medidas relacionadas à sinalização e segurança viárias, qualquer cidadão pode contatar a CET pela Central SP156 sempre que necessário”.

Moradores já fizeram um protesto, numa madrugada, fechando a rua para impedir a entrada dos caminhões. A Polícia foi chamada e um boletim de ocorrência foi feito por perturbação do sossego. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “o caso é investigado por meio de inquérito policial instaurado pelo 98º DP. A autoridade policial expediu notificações para ouvir as partes e realiza diligências para esclarecer os fatos”.

Outra irregularidade flagrada pelos vizinhos do frigorífico é com os fios elétricos da rua: os moradores filmaram funcionários do frigorífico amarrando os fios elétricos da via, para que não atrapalhem o trânsito dos caminhões. Eles utilizaram empilhadeiras para alcançar os fios.

A Enel não respondeu as solicitações da reportagem sobre os fios elétricos que foram amarrados.

PLACAS DE SINALIZAÇÃO FALSAS

Há cerca de três meses atrás, numa madrugada, surgiram algumas placas de “proibido estacionar” na Rua Silvia de Barros. Segundo o denunciante, nenhum morador solicitou à CET a implantação dessas placas na rua.

Durante a manifestação feita pelos moradores, um agente da CET verificou que as placas são falsas. Em um vídeo, o morador filma um agente da CET fiscalizando as placas de “proibido estacionar” da rua, uma delas em um poste ao lado do frigorífico. O agente diz: “isso aí é irregular, não é nossa não”, após contato com a Central da CET. O morador pergunta se a Central constatou que a placa não é verdadeira e o agente responde que “quando eles [CET] colocam, eles tem um projeto com o nome da rua e os números do local, e lá eles não tem esse projeto [da Rua Silvia de Barros]”.

A CET informou que “de fato a sinalização vertical de estacionamento é clandestina e será removida. A Companhia irá monitorar o local para evitar a reincidência desse tipo de ocorrência”.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.