Espetáculo “Noel, um musical” abre temporada no Teatro Paulo Eiró a partir de 21 de julho

0
1098
Crédito: João Caldas

Clássico de Plínio Marcos escrito em 1977 sobre a vida do “Poeta da Vila”, tem encenação de Marco Antonio Rodrigues, direção musical de Marco França e colaboração dramatúrgica de Samir Yazbek


O espetáculo “Noel, um musical”, adaptação de uma das principais peças da trajetória de Plínio Marcos (1935-1999), escrita em 1977, sobre a vida do genial Noel Rosa (1910-1937), fará uma nova temporada na capital paulista, nos meses de julho e agosto, desta vez no Teatro Paulo Eiró, zona sul de São Paulo. O público terá a oportunidade de assistir ao legado destes dois ícones da cultura brasileira entre os dias 21 de julho e 13 de agosto, às sextas e sábados, às 21h e domingos, às 19h.

A montagem conta com direção e adaptação de Marco Antonio Rodrigues,com colaboração dramatúrgica de Samir Yazbek e direção musical de Marco França. Já o elenco é formado pelos atores e atrizes Barroso, Bruna Alves, Caio Silviano, Cecília Barros, Dom Capelari, Fabio Pazitto, Guti Vellutini, Julia Alves, Katia Naiane, Mariah Altruda e Tássia Cabanas.

Clássico e Contemporâneo – “Noel, um musical” leva ao palco a trajetória do “poeta da Vila”, com seus amores, suas paixões, seus amigos e suas rivalidades. O enredo se desenvolve em três momentos históricos não cronológicos, que se conectam ao longo da montagem, trazendo o espectador para a década de 1930, época de Noel Rosa, o final dos anos 1970, auge da ditadura militar e da produção de Plínio Marcos e os tempos atuais.

Tudo isso permeado por composições clássicas de Noel Rosa como “Com que Roupa”, “Orvalho Caindo”, “Fita Amarela” e “Último Desejo”, que integram o repertório de mais de 300 composições criadas por Noel em apenas 27 anos de vida.

Outro ponto importante na adaptação do diretor Marco Antonio Rodrigues foi a inclusão de dois narradores, figuras que mesclam o clássico com o atual: Ademar Casé, um dos pioneiros do rádio no Brasil nos anos 30, contemporâneo de Noel Rosa, e um YouTuber. Há ainda uma participação sutil de Plínio Marcos, explicando como Noel e sua obra foram verdadeiros “modernistas cariocas”.

“O espetáculo busca se comunicar com todos os públicos, desde os mais jovens até os mais maduros. Buscamos nos conectar com essa linguagem do Teatro Popular, assim como faziam Noel e Plínio, dois grandes avatares da cultura brasileira”, explica o diretor Marco Antonio Rodrigues.

Sobre a contemporaneidade da obra, Marco Antonio Rodrigues ressalta que “Noel Rosa, em sua curta existência, foi um dos pais da modernidade artística. Ele coloca em cena figuras que não tinham espaço, desde o malandro, passando pelo banqueiro, o agiota e pela mulher, principalmente. O Plínio representa a vanguarda do teatro contemporâneo brasileiro. Ele coloca o lumpemproletariado em cena, que também até então não tinha lugar: a prostituta, o gigolô, o miserável”.

Por fim, o diretor destaca que “tanto Noel quanto Plínio eram pessoas que, com bom humor e sabedoria, tinham uma perspectiva muito otimista do povo e do país, revelando isso de uma forma muito generosa”.

“Noel, Um Musical” é a mais recente produção do Estúdio da Cena, núcleo de pesquisa teatral ligado ao Célia Helena Centro de Artes e Educação. O Estúdio da Cena, desde 2012, tem o objetivo de aprofundar, fora do ambiente acadêmico, o trabalho de criação e montagem de um espetáculo teatral, sob a direção de um encenador com reconhecida trajetória profissional. Exemplos das realizações do Estúdio da Cena foram “Odisseia”, adaptação de Samir Yazbek em parceria com o grupo, com direção de Marco Antonio Rodrigues, “SENTA”, criação coletiva, com direção de Nelson Baskerville, e “Andorra”, de Max Frisch, com direção de Renato Borghi.

Sinopse: Com direção de Marco Antonio Rodrigues, direção musical de Marco França e colaboração dramatúrgica de Samir Yazbek, o espetáculo homenageia as trajetórias de Noel Rosa e Plínio Marcos, permeadas por três períodos históricos que se conectam: a década de 1930, época de Noel Rosa, os anos 1970, auge da ditadura e período da criação da dramaturgia de Plínio Marcos, e os tempos atuais. No palco, um radialista dos anos 30, um apresentador dos anos 70 e um YouTuber trazem o clima dos botequins para relembrar os tempos de Noel Rosa, incluindo figuras emblemáticas do Rio de Janeiro, como o radialista Casé, as cantoras Marília Batista e Aracy de Almeida e o cantor Wilson Batista.

SERVIÇO:

Temporada: de 21 de julho a 13 de agosto

Horários: Sextas e Sábados, às 21h e Domingos, às 19h

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

Classificação: 14 anos

Duração: 80 minutos

Local: Teatro Paulo Eiró

Endereço: Av. Adolfo Pinheiro, 765, Santo Amaro, São Paulo – SP

Capacidade: 600 lugares

Telefones: (11) 5686-8440 / 5546-0449

Compra de ingressos pelo site da Sympla.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.