Rede pública de cursinho pré-vestibular oferece 2 mil vagas para jovens de baixa renda

0
146

Criada por ativistas do movimento negro, professores e educadores populares,  a UNEafro se organiza em núcleos de educação popular que mantém ações sociais permanentes nas periferias

 

A Rede de Cursinhos Comunitários da Uneafro está ampliando sua atuação em 2019 para atender 32 comunidades em São Paulo e Rio de Janeiro. Os cursos, gratuitos, têm o objetivo de preparar jovens de baixa renda para os exames vestibulares e Enem, para o ingresso no ensino superior, e para concursos. As aulas acontecem em espaços comunitários com professores voluntários comprometidos com causas sociais.
Criada em 2009 por ativistas do movimento negro, professores e educadores populares,  a UNEafro é um movimento que se organiza em núcleos de educação popular que mantém ações sociais permanentes nas periferias. O trabalho mais conhecido são os cursinhos pré-vestibulares para jovens e adultos oriundos de escolas públicas, prioritariamente negras/os que sonham com o ensino superior, e querem preparar-se para o ENEM ou Concursos Públicos.
Em 10 anos de atuação, a Uneafro já atendeu mais de 15 mil estudantes e centenas chegaram às universidades. Outros foram aprovados em concursos e alcançaram novas oportunidades de trabalho e renda. “Nas periferias e favelas de todo o Brasil, nossa juventude precisa estudar, fazer faculdade, se qualificar para arrumar emprego, ajudar a família e evitar a violência da polícia. É também por meio da educação que desempregados podem se requalificar e mulheres podem gerar renda própria, alcançar a independência e se livrar da violência doméstica. Aqui, pessoas LGBTs que sofrem muito preconceito na trajetória escolar são acolhidas e apoiadas na luta por direitos e pela vida” afirma o professor de História, Douglas Belchior, fundador da Uneafro.

 

Jovens de baixa renda no ensino superior
Menos de 20% do total de jovens brasileiros entre 18 e 24 anos estão na faculdade. Contando apenas os jovens negros, só 12,8% cursam ensino superior. Entre os jovens brancos o índice é de 26,5% (IBGE). Dados do Censo do Ensino Superior de 2017 (Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) apontam um aumento do número de matrículas de estudantes negros em cursos de graduação nos últimos cinco anos. É uma grande diferença, ainda que o acesso de negros aos bancos universitários tenha triplicado nos últimos anos. Em 2011, do total de 8 milhões de matrículas, 11% foram feitas por alunos pretos ou pardos. Em 2016, o percentual de negros matriculados subiu para 30%.

 

Jovens que cursaram UNEafro e ingressaram em universidades públicas
Luana Souza Rodrigues, moradora do bairro de Jaraguá, zona oeste de São Paulo, ingressou no curso de graduação em Matemática da Universidade Federal de Pelotas (RS); Gleyce Karen Missias Santos, moradora de Poá (SP), ingressou no curso de Sistemas de informação, na Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul; e Davidson Nilson Mendes, morador de Itaquaquecetuba (SP), ingressou no curso de graduação em Matemática no Instituto Federal de São Paulo. Estes são três, das dezenas de estudantes que garantiram a chegada à universidade neste início de 2019.
Saiba mais: www.uneafrobrasil.org
- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.