Prefeitura abre inscrições de trabalho para vendedores de comida durante o Carnaval

0
376

A estimativa é que esse ano as ruas da cidade de São Paulo recebam 15 milhões de pessoas, o que pode movimentar R$ 2,6 bilhões, nas ruas e no sambódromo


Até o dia 27 de fevereiro, a Prefeitura recebe inscrições para quem deseja vender alimentos e refeições durante o Carnaval de Rua 2020. Podem participar: produtores da área gastronômica, como chefs, cozinheiros em foodtrucks, bikefoods, carrinhos, tabuleiros e tendas desmontáveis.

Os participantes podem trabalhar nos seguintes dias: 15 e 16 de fevereiro (Pré-Carnaval); 22, 23, 24 e 25 de fevereiro (Carnaval); 29 de fevereiro e 1º de março (Pós-Carnaval). Dúvidas devem ser encaminhadas por meio do e-mail: [email protected]

A estimativa é que esse ano as ruas da cidade de São Paulo recebam 15 milhões de pessoas, o que pode movimentar R$ 2,6 bilhões, nas ruas e no sambódromo. A expectativa é superar o Carnaval de Rua 2019, que recebeu 14 milhões de pessoas e movimentou R$ 2,3 bilhões.

E neste ano, quem quiser aproveitar o carnaval mas ainda pretende economizar, deve ficar de olho no preço dos produtos. Segundo um levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), encomendado pela Associação Comercial de São Paulo, algumas mercadorias têm uma carga tributária elevada nesta época do ano.

Confira os itens gastronômicos que têm mais impostos:

  • caipirinha: 76,66%
  • chope: 62,20%
  • cerveja (lata ou garrafa): 55,60%
  • refrigerante em garrafa: 46,47%
  • refrigerante em lata: 44,55%
  • sorvete (massa ou picolé): 37,98%
  • amendoim: 36,54%
  • água de coco: 34,13%
  • água mineral: 31,50%

As 15 milhões de pessoas previstas em 2020 devem se dividir entre o Sambódromo e os 865 blocos de rua que farão 960 desfiles entre 15 de fevereiro e 1º de março. “A gente não tem expectativa de passar nem competir com ninguém. Nós queremos fazer um carnaval enorme, bonito e organizado, que seja protagonizado pela força e pela importância dos blocos para cidade de São Paulo, que criaram uma história maravilhosa que, em dez anos, tem transformado a capital, através do ativismo pelo direito à cidade”, diz o secretário municipal de Cultura, Alê Youssef.


FALE COM A REDAÇÃO
Sugestões de pauta, envie email para: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.