Polícia Ambiental prende grupo que fazia loteamentos irregulares no extremo Sul de SP

1
6122

Os quatro homens estavam demarcando o terreno para depois abrirem ruas para loteamento, isso sem autorização das autoridades. O terreno em Parelheiros possui vegetação do bioma da Mata Atlântica e está em estágio médio de regeneração


Equipamentos usados pelo grupo para demarcar o terreno

A Polícia Militar Ambiental prendeu quatro homens em Parelheiros, no extremo da Zona Sul, que estavam em um terreno na Rua Jacob Guilger Reimber, com equipamentos de topografia e estacas de madeira. A suspeita é que o grupo estaria ali para invadir e fazer loteamentos do terreno, que possui vegetação do bioma da Mata Atlântica e está em estágio médio de regeneração.

A equipe de policiais, que pertence ao Grupo Especial de Policiamento Ambiental e Áreas de Risco, percebeu que os quatro homens estavam demarcando o terreno para depois abrirem ruas para loteamento, isso sem autorização das autoridades.

“O equipamento de topografia, bem como a planta do terreno foram apreendidos. Os quatro foram encaminhados a 2ª DIMMA (Divisão de Investigações sobre Infrações contra o Meio Ambiente) do DPPC (Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania) e responderão por dar início a loteamento, para fins urbanos, sem autorização do órgão público competente”, informou a Secretaria de Segurança Urbana.

Em 2019, o ex-vereador Gilberto Natalini produziu um dossiê que revela que em cinco anos, a capital paulista acumulou, pelo menos, 90 novas áreas de desmatamento de Mata Atlântica.

Em São Paulo, são cerca de 500 mil árvores derrubadas, em Áreas de Proteção Ambiental (APAs), principalmente para construção de moradias irregulares e para o descarte clandestino de entulho. Essas APAs abrigam nascentes de rios que abastecem a Represa do Guarapiranga, responsável por fornecer água para mais de cinco milhões de pessoas da Zona Sul de São Paulo.

No ano passado, o Ministério Público e a Polícia Civil iniciaram uma força tarefa para prender quadrilhas que desmatam áreas de preservação ambiental na Zona Sul de São Paulo. Os investigadores têm evidências de que o crime organizado participa e lucra com a venda dos lotes ilegais em áreas próximo das Represas Billings e Guarapiranga.

“De fato, há alguma coisa mais ampla, organizada e, portanto, nós também nos organizamos pra fazer frente a essas questões, com investigações criminais. O Estado não costuma estar nessas áreas, mas é importante que esteja”, afirmou Gianpaolo Smanio, procurador-geral de Justiça de São Paulo.

Qualquer pessoa pode denunciar loteamentos irregulares por toda a cidade de São Paulo. Basta fazer uma denúncia no Porta 156 da Prefeitura: https://sp156.prefeitura.sp.gov.br/portal/servicos/informacao?servico=2622


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

1 COMENTÁRIO

  1. Engraçado, sabemos q é algo ilegal o destacam fazendo, mas o rodoanel Mário covas q devastou toda a mata nativa na região, eu como ex morador, pois o mesmo me desapropriou, e eu vendo aquele mundo de máquinas aterrando rios e derrubando árvores como um crime ambiental, e nenhuma força maior interrompendo, hj sentimos os aquecimento globais e mudanças no comportamento do clima da terra. Triste realidade….

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.