PMs que atuam no Grajaú são afastados após agredirem vendedor ambulante dentro de batalhão

0
2

Uma câmera de segurança do próprio batalhão gravou as imagens que mostram policiais agredindo e dando risada do vendedor, que foi jogado dentro de uma viatura e perdeu a consciência por causa do spray de pimenta


A Polícia Militar afastou das ruas 10 PMs que atuam na região do Grajaú, porque são investigados por abuso de autoridade e lesão corporal contra um vendedor ambulante. O caso aconteceu no dia 1º de maio dentro 3ª Companhia do 50º Batalhão da PM do Grajaú.

O caso veio à tona porque uma câmera de segurança do próprio batalhão gravou as imagens que mostram policiais chegando ao batalhão com o vendedor que havia sido preso por um suposto desacato.

O vendedor chega algemado e é forçado a se ajoelhar na frente de uma viatura. Ele, então, é levado para o porta-malas e fica sentado de frente para dois agentes. Nesse momento, mais policiais chegam, inclusive mulheres, e ele é agredido.

“Aí eles me colocaram uma roda de policial assim, comigo no meio, alguns me agrediam, outros ficavam olhando, principalmente uma mulher policial. Ela era a que mais me xingava, mais me agredia”, afirmou o vendedor.

As imagens também mostram que um dos PMs joga um produto dentro da viatura onde estava o vendedor. Segundo a vítima, o produto era gás de pimenta e isso fez com que ele perdesse a consciência. Enquanto isso, do lado de fora do veículo, os PMs riam.

Outros policiais da 3ª Companhia do 50º Batalhão da PM do Grajaú passavam na frente do veículo e não o socorriam. “Eles me pegaram e me amarrou igual um porco, me algemou pra frente e me amarrou os pés e as mão. Cheguei no hospital amarrado, igual porco”, declarou a vítima.

Os policiais foram identificados e afirmaram que o vendedor estava agressivo no momento da abordagem e que não forneceu documentos de identificação. Após ser colocado na viatura, segundo os agentes, o vendedor quebrou um dos vidros.

A Secretaria de Segurança Pública informou que as condutas dos policiais estão sendo “rigorosamente apuradas em inquérito policial militar”.

Já a Ouvidoria das Polícias do Estado de São Paulo quer que o inquérito policial seja investigado pela Corregedoria da Polícia Militar. “Crime de tortura e abuso de autoridade. Ele estava sendo submetido a sofrimento. Aquela atitude dos policiais de expor spray de pimenta no jovem ali, com a viatura fechada, é uma situação inclusive, tem casos, que poderia levar a pessoa a óbito”, afirmou Elizeu Soares Lopes, Ouvidor das polícias.

O vendedor ambulante também denunciou o caso para a Ouvidoria e para a Corregedoria da PM, onde foi informado para esperar retorno devido as “muitas denúncias e reclamações recebidas”.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.