Pesquisa revela que Zona Sul lidera evasão escolar por causa da pandemia

0
2

Em pesquisa da Rede Nossa São Paulo, paulistanos revelaram os principais impactos que a pandemia gerou na Educação. Por exemplo: aumento da desigualdade (já que os estudantes de famílias mais vulneráveis não tiveram acesso ao ensino remoto) e dificuldades emocionais/psicológicas durante o isolamento social


De acordo com a pesquisa “Viver em São Paulo – Saúde e Educação”, edição 2021, feita pela Rede Nossa São Paulo, a Zona Sul da capital paulista é a região com maior evasão/abandono escolar, por causa das dificuldades no acompanhamento das aulas geradas pela pandemia da Covid-19.

Na Zona Sul, 47% dos entrevistados afirmaram que houve abandono escolar. Nas outras regiões, o índice ficou entre 31% e 42%.

Entre os principais motivos relatados para desistência ou abandono das aulas na pandemia estão:

  • dificuldade no acesso às aulas/problemas de conexão com a internet (57%)
  • não tinha os equipamentos necessários/adequados, como computador e celular (38%)
  • não conseguiu se concentrar nas aulas em casa (34%)

No geral, os principais impactos da pandemia para alunos e alunas foram:

  • aumento da desigualdade, já que os estudantes de famílias mais vulneráveis não tiveram acesso ao ensino remoto (52%)
  • piora no aprendizado, já que o ensino remoto tem qualidade inferior ao presencial (48%)
  • evasão/abandono escolar, devido às dificuldades no acompanhamento das aulas (39%)

Os pais e responsáveis por alunos de 0 a 18 anos acreditam que as aulas remotas, em casa, tiveram outros impactos nos estudantes:

  • dificuldades emocionais/psicológicas durante o isolamento social (81%)
  • dificuldades com infraestrutura/espaço, incluindo barulho e importunação (79%)
  • dificuldades para acessar as aulas transmitidas pela internet (76%)
  • dificuldades com o uso de equipamentos, como notebook e celular (69%)
  • dificuldades para acessar as aulas transmitidas pela TV ou rádio (68%)

Já para os professores, os maiores impactos foram:

  • maior desinteresse dos alunos durante as aulas (45%)
  • demissões (35%)
  • problemas de saúde (34%)
  • redução de salários (34%)
  • aumento das cobranças/pressões de pais de alunos e de alunos (33%)
  • desvalorização do trabalho (31%)
  • aumento da jornada de trabalho (23%)

Entre toda a cidade de São Paulo, a maior parte das demissões, aliás, aconteceram na Zona Sul: 40%. Em seguida, os principais destaques da Zona Sul são: maior desinteresse dos alunos durante as aulas (44%) e problemas de saúde (37%).

Em relação as medidas adotadas para combater o impacto da pandemia do coronavírus na Educação: 64% apoiam o fechamento das escolas. E a maioria (59%) considera inadequada a retomada das aulas presenciais nas creches e escolas porque 86% acreditam que o risco de contágio ainda é alto.

“De forma geral, os paulistanos acreditam que a pandemia e as aulas remotas terão um impacto importante na área da educação, salientando ainda mais a desigualdade social, registrando piora no aprendizado e até aumentando a evasão escolar. Caso a retomada das aulas seja uma realidade, os paulistanos sugerem que sejam priorizados estudantes que têm maior dificuldade de acompanhar as aulas remotamente, aqueles cujos pais trabalham fora e os mais suscetíveis social e economicamente”, analisa a Rede Nossa São Paulo.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.