Governo de SP reabre trechos de ciclovia às margens do rio Pinheiros

0
198

Mais de 6km são reabertos para ciclistas com asfalto e sinalização renovados; intervenção nas margens para evitar erosão vai até abril


O Governo de São Paulo, por meio do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), órgão vinculado à Secretaria de Meio Ambiente Infraestrutura e Logística (Semil), reabriu dois trechos da ciclovia Franco Montoro, às margens do rio Pinheiros.
A liberação aconteceu com a conclusão da maior parte das obras de instalação dos gabiões (estruturas de grande durabilidade e resistência) nas margens do Rio Pinheiros, iniciadas em março de 2022. Com investimento total de R$ 296,5 milhões, as obras localizadas na zona sul da capital visam melhorar a estrutura e preservar as margens do rio, além de trazer mais segurança aos dois trechos da ciclovia.
O local recebe cerca de 150 mil ciclistas por mês. São dois trechos liberados, na chamada margem leste, paralelo à Linha 9-Esmeralda, sendo um deles localizado entre a Ponte Estaiada (Octavio Frias de Oliveira) e a Ponte Flutuante, com um quilômetro de extensão, e o outro entre a Ponte do Jaguaré e a Ponte Cidade Universitária e equivalente a dois quilômetros. Tanto a ciclovia quanto a operação da Linha 9 são de responsabilidade da concessionária ViaMobilidade.
A medida foi importante para a colocação de muros de gabiões ao longo do rio, o que auxilia no controle do processo de erosão das margens e na segurança dos usuários das ciclofaixas. Os novos muros também contam com rampas de acesso a cada 250 metros – intercaladas em cada margem, que permitem o acesso da fauna local à margem do rio, como as capivaras.
Com a entrega da obra, os dois trechos voltam a ser liberados para que a população possa andar de bicicleta na ciclofaixa do local. Outra novidade é que agora haverá uma conexão direta para os ciclistas irem até o Parque Villa-Lobos, o que permite maior locomoção nas opções de lazer da população e conexão com as ciclovias das avenidas Brigadeiro Faria Lima, Pedroso de Morais e Professor Fonseca Rodrigues.
Com a instalação dos gabiões executada pelo DAEE, haverá a redução da erosão das encostas e do depósito de materiais dentro do leito do rio, o que também auxilia no combate a enchentes – já que esse material diminui a capacidade de o rio absorver o volume de água das chuvas.


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.