CPTM e SPTrans assinam convênio para construção do Terminal Estação Varginha

0
99

As duas novas estações da Linha 9-Esmeralda, Mendes-Vila Natal e Varginha, devem ficar prontas entre 2021 e 2022. O Terminal Estação Varginha vai atender 30 mil passageiros por dia, e promete desafogar o fluxo de passageiros na região


O Governo de São Paulo firmou um convênio com a Prefeitura para a implantação do Terminal Estação Varginha, que será construído anexo a futura estação Varginha da Linha-9 Esmeralda. Assim, CPTM e SPTrans serão parceiras neste projeto que tem vigência de 36 meses, conforme Extrato de Convênio publicado no Diário Oficial do Estado no dia 4 de junho.

A Estação Varginha terá uma área de 5 mil m², que vai atender 51 mil passageiros por dia; além de passarela anexa à estação com acesso aos dois lados da ferrovia; elevador; bicicletário com 750 vagas e espaços acessíveis.

Foto: PLAMURB

Já o terminal de ônibus vai atender 30 mil passageiros, diariamente, segundo previsão do Governo do Estado. O novo terminal vai desafogar o fluxo de passageiros que utilizam o já existente Terminal Varginha, localizado na Av. Paulo Guilguer Reimberg, no Jardim Maria Fernandes.

As duas novas estações da Linha 9-Esmeralda, Mendes-Vila Natal e Varginha, devem ficar prontas entre 2021 e 2022. No total, o investimento na extensão da Linha 9-Esmeralda é de R$ 945 milhões, sendo R$ 500 milhões da União e R$ 445 milhões do Governo de São Paulo.

Segundo o Governo, com as duas estações, serão beneficiados moradores da Estrada dos Mendes e dos bairros Varginha, Vila Natal, Jardim Icaraí, Jardim São Bernardo e Conjunto Residencial Palmares, ou seja, um acréscimo de 110 mil pessoas que passarão a utilizar a Linha 9-Esmeralda.

Até meados de dezembro, a Estrada dos Mendes ficará interditada pela CET para construção de um viaduto, de um muro de contenção e para remanejamento do sistema de água e esgoto.

O desejo do Governo do Estado é conceder a administração das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda para uma empresa privada. A empresa ou consórcio que oferecer o maior lance vai explorar e operar as duas linhas, que transportam mais de 1 milhão de passageiros por dia. Em contrapartida, o vencedor da concessão terá que fazer melhorias no sistema, ampliar o número de estações e comprar novos trens, com investimentos de R$ 2,6 bilhões nos seis primeiros anos. O valor da passagem tem que ser o mesmo do restante do sistema. O prazo total da concessão será de 30 anos.

No entanto, a pandemia do coronavírus mudou os planos da gestão estadual que paralisou o processo de concessão por causa das “consequentes restrições impostas aos mercados globais em decorrência das quarentenas praticadas pelos diferentes governos”.


FALE COM A REDAÇÃO: [email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.