Cinemateca Brasileira divulga programação gratuita de 20 a 23 de julho

0
623

A Cinemateca Brasileira divulgou sua programação gratuita de 20 de julho (quinta-feira) a 23 de julho (domingo). Confira a seguir:

20 a 23 de julho, quinta-feira a domingo

HISTÓRIAS DA AMAZÔNIA

Uma mostra de cinema realizada em parceria pela Cinemateca Brasileira e Pulitzer Center que traz ao público de São Paulo premiadas produções de audiovisual que focam em histórias e situações pouco reportadas, mas de extrema relevância para pensar os desafios atuais acerca de importantes questões socioambientais. Através das produções, convidamos o público a conhecer mais e discutir sobre os modelos de desenvolvimento impostos na região, as ameaças aos povos da floresta e o que eles têm a nos ensinar para mudanças de paradigmas em nossa sociedade. Teremos também uma sessão especial onde trazemos produções inéditas no Brasil para a discussão sobre como as mudanças climáticas irão influenciar as relações de trabalho.

A programação é gratuita. Para participar, é preciso retirar os ingressos no local, uma hora antes de cada sessão.

20 a 22 de julho, quarta-feira a sábado

5º CABÍRIA FESTIVAL AUDIOVISUAL

O Cabíria Festival é um encontro anual para celebrar e promover a presença de cineastas mulheres e da diversidade nas telas e atrás das câmeras. Com patrocínio da Spcine, pelo segundo ano consecutivo será realizado em São Paulo em formato híbrido, com programação de 18 a 21 de julho entre a Cinemateca Brasileira e a ESPM, e online até 23 de julho na Spcine Play, Telecine e MUBI, para todo o Brasil.

22 de julho, sábado

SÁBADO INFANTIL

A Cinemateca Brasileira realiza sessões dedicadas às crianças sempre aos sábados. São exibidos filmes brasileiros e estrangeiros, de diferentes períodos e estilos, de modo a fomentar a formação de público cinematográfico desde a infância.

14h – PEQUENOS GUERREIROS

Brasil, 2021, 74min, cor, livre

Direção: Bárbara Cariry

Sinopse: Cosme e Dona Maria, acompanhados do filho Benedito e dos sobrinhos Matheuzinho e Bruna, fazem uma viagem do litoral até a cidade de Barbalha, onde vão pagar uma promessa na Festa do Pau da Bandeira. A viagem é uma descoberta das paisagens, das histórias e das riquezas culturais do sertão. As três crianças vivem um processo de encantamento e afetividade e, depois da bonita aventura, Bruna, Matheuzinho e Benedito serão para sempre grandes amigos.

TRIBUTO A SÉRGIO MUNIZ

A Cinemateca Brasileira, com a correalização da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), presta um tributo ao cineasta Sergio Muniz com a projeção de dois de seus filmes, seguida de debate com a presença do diretor e da professora Marilena Chaui.

15h – Você também pode dar um presunto legal (Sérgio Muniz, 1970/2006, 39 min)

Sinopse: Filmado clandestinamente, o documentário faz uma reflexão sobre a atuação do Esquadrão da Morte, sob o comando do delegado Sergio Paranhos Fleury, que serviu de guia e treinamento para a violenta repressão política, com torturas e assassinatos durante a ditadura militar. Inclui uma imagem nunca divulgada pela TV brasileira do delegado Fleury sendo condecorado pela Marinha brasileira.

22 a 23 de julho, sábado e domingo

FIM DE SEMANA DE DESLUMBRAMENTOS TCHECOS

Nos dias 22 e 23 de julho, a Cinemateca Brasileira apresenta uma mostra dedicada ao cinema tcheco com curadoria do Arquivo Nacional de Cinema (Czech Národní filmový archiv), em Praga.

Trata-se de uma comemoração especial de dois aniversários importantes na cultura cinematográfica tcheca. Primeiro, o aniversário do Arquivo, que completa 80 anos cuidando do patrimônio fílmico do país e que conserva uma das maiores e mais antigas coleções audiovisuais do mundo. O segundo aniversário refere-se à produção cinematográfica iniciada há 60 anos, em 1963, a partir dos filmes de uma nova geração de jovens cineastas recém graduados. Esse movimento foi chamado de Nová Vlna – a nova onda do cinema tcheco – e despertou grande interesse mundial, gerando reverberações tal como a Nouvelle Vague francesa e o Cinema Novo brasileiro.

Na década de 1960, a Tchecoslováquia passava por transformações significantes, como a lenta abertura do regime socialista vigente. Com isso, a cultura pôde se desprender do alto nível de controle e censura, e os cineastas passaram a ter mais liberdade artística. O acesso a filmes estrangeiros, à literatura e à arte expandiu as fontes de inspiração, e os estúdios davam espaço para roteiros ousados, variedade temáticas e de gênero, e experimentos artísticos e cinematográficos. Essas circunstâncias permitiram que o cinema do país se desenvolvesse em direção a horizontes até então inexplorados.

A mostra de dois dias exibe alguns filmes do período, trazendo uma variedade de abordagens, histórias e gêneros, além de sintetizar elementos relevantes para o cinema moderno da época.

As sessões de O baile dos bombeiros e de O assassinato do Sr. Diabo serão apresentadas por Marie Barešová, curadora de história oral do Arquivo Nacional de Cinema da República Tcheca.

A programação é gratuita e os ingressos são distribuídos uma hora antes de cada sessão.


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.