16.4 C
São Paulo
domingo, 26 junho, 2022
Mais

    Borba Gato | Restauração do cartão postal de Santo Amaro ou apagar a história e a arte?

    Mais lidas

    Estátua de Júlio Guerra vive angústia de não saber se vai sair ou ficar e prefeitura mantém silêncio devido grandes divergências de opiniões


    A estátua do Borba Gato, exposto na divisão das Avenidas João Dias e Adolfo Pinheiro, foi incendiada em 24 de julho de 2021, devido a um protesto contra a figura de ‘escravocrata’ dos Bandeirantes.

    A Prefeitura havia informado que a obra seria restaurada através de um empresário sigiloso. Porém, passou 8 meses e o Borba Gato está com os mesmos danos ainda. Enquanto isso, vereadores propõem na Câmara Municipal a retirada da estátua.

    MANUEL BORBA GATO

    Manuel nasceu em 1649 na região de Santo Amaro. Sua vida ganhou relevância quando se casou com Maria Leite, filha do bandeirante mais rico de São Paulo no século XVII, Fernão Dias.

    O sogro ficou famoso como ‘caçador de diamantes’, mas também escravizava e vendia índios e negros. Saiu em expedição em 1661 e voltou 1664 com mais de 4 mil índios, mas sem conseguir vender, colocou-os em suas lavouras.

    Borba Gato pode não ter tido participação no processo de escravizar índios, como relatam manifestantes e políticos, mas apoiou o sogro e também saiu à caça de esmeralda numa jornada para Sabarabuçu-MG, entre 1674 e 1681.

    Não se sabe se Borba Gato matava índios nestas expedições como o sogro e não temos como entrevista-lo para saber sua índole.

    Ao retornarem, Fernão Dias, literalmente, morreu de desgosto ao ver que caçou turmalinas, pedra muito menos valiosa do que Esmeralda. No caminho de volta, Borba Gato e toda a tropa se deparou com o Cobrador de Impostos do Rei Pedro II, Rodrigo Castelo Branco, ao qual levou parte do que pegaram como tributo aos portugueses. 1 anos depois, em 1682, Castelo Branco foi morto ao cair de um desfiladeiro, tendo Borba Gato como o principal suspeito.

    Para fugir da sentença, se refugiou em Sabarabuçu entre 1682 e 1698, “vivendo barbaramente, sem concurso de saneamento algum, sem comunicação com mais criaturas desse mundo que não fosse um grupo de indígenas que domesticou a sua obediência, vivendo entre eles como um respeitável cacique”, explica Bento Furtando no livro ‘Brasil: Uma História’. Se tornando o que jurou destruir, se usarmos uma referência de Star Wars.

    Borba Gato foi absolvido de seu crime em 1698 pelo Governador do Rio de Janeiro, Arthur de Sá, ao trocar o endereço das minas de ouro pela sua liberdade.

    ESTÁTUA DE JÚLIO GUERRA

    O artista Júlio Guerra recebeu incentivos da Subprefeitura Santo Amaro e do deputado Scalamandré Sobrinho para a construção de um monumento em comemoração do IV Centenário de Santo Amaro.

    A obra tem 13 metros de altura e pesa 10 toneladas, na inauguração, em 28 de janeiro de 1962, teve desfile vestido a caráter de bandeirantes, índios e roupas de época na celebração.

    Júlio Guerra disse em entrevista ao Jornal da Tarde, em 3 de janeiro de 1972, que sua obra é uma arte popular e uma afronta aos costumes de fazer esculturas com cobre. “Se falam mal da escultura de Júlio, há os que levam a sério, como os estudantes que vão estudar a maneira como ele foi feito, os materiais empregados, etc”, explica Júlio.

    As cores estampadas em pequenos mosaicos de pedras deixam Borba Gato como uma estátua única e original. “Detesto cemitério e os monumentos que parecem túmulos em praça pública. O meu Borba Gato não é isso, porque é colorido, alegre, folclórico”, detalha.

    RESTAURAÇÃO E FUTURO

    O Grupo Sul News entrou em contato com a Secretaria Municipal de Cultura (SMC), mas se limitaram a explicar os danos causados e a Lei de incentivo a obras públicas.

    “Foi verificado que a obra não apresenta danos estruturais. Houve o destacamento de parte do revestimento de pedra das pernas, da face frontal do bacamarte e das botas, bem como o rompimento pontual do concreto nas botas e na perna direita. Com o aquecimento do pedestal, parte da placa metálica com inscrições referentes à obra derreteu e desprendeu da superfície, mas foi recolhida. Tendo em vista que não há a necessidade de uma ação de restauro emergencial, avalia-se uma possível adoção do monumento pelo programa Adote uma Obra Artística, Lei nº 57.667, de 19 de abril de 2017”.

    Para o Youtuber Eduardo Bueno, “a manifestação foi em cima da estátua errada, as verdadeiras manifestações deveriam ser em cima do Palácio dos Bandeirantes”, disse em entrevista ao podcast Mais Que 8 Minutos. De fato, Fernão Dias e Raposo Tavares, por exemplo, matavam, vendiam e escravizavam índios. Mas o Borba Gato, embora possa ter apoiado ações do sogro, viveu quase 2 décadas com tribos indígenas.

    Para o Dr. Gilberto Marque Bruno, Advogado e Conselheiro da Associação Comercial de São Paulo e do Comitê de Civismo e Cidadania da ACSP, “a discussão deveria ser sobre a preservação do monumento como obra de arte, um trabalho que nasceu pelas mãos de um “botina amarela” [termo que designa um cidadão santamarense], com a finalidade de homenagear a sua terra e todos os santamarenses”, comenta Gilberto e complementa: “Recentemente a SMC noticiou que será inaugurada a estátua da escritora Carolina Maria de Jesus em Parelheiros, região que ela decidiu morar em 1963. Amiga de Getúlio Vargas, a ele dedicou um poema, chamado de “Grande Alma Nacional”. Imagine se por força deste fato, alguém suscitasse que a estátua não poderia ser inaugurada? Seria um absurdo! O “bonecão”, como dizia Júlio Guerra, é um grandioso trabalho! Não nos cabe entrar no mérito e julgar os feitos dos Bandeirantes, não temos essa capacidade. A arte, o monumento e a memória do artista merecem ser respeitados para que as futuras gerações tenham acesso”.

    É necessário fazer uma reflexão e analisar contextos e realidade da época e não fazer uma manifestação 300 anos depois de acordo com a realidade atual. Isso não significa passar pano em malfeitores, mas entender Borba Gato e suas raízes com Santo Amaro.


    SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

    Leia mais

    1 COMENTÁRIO

    1. Bem , se for p apagar tudo q remete a vergonha da escravidão ou qq outra coisa q antes era história e hj virou esse blá blá blá ridículo , q tal começarmos jogando uma bomba no Brasil ? Pq de um modo de ou outro quase toda população vem de um antepassado negro , mts de nós somos frutos de abuso sexual às escravas . Isso é história gente !!! Sou totalmente a favor dessa restauração. Ou vcs tem vergonha da própria origem ? Aí sinto muito , ao invés de queimar estátuas seria melhor incendiar o país .

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    - Patrocinado -

    Últimas