ARTIGO | O uso da IA Generativa na área de Recursos Humanos

0
299

De acordo com uma pesquisa da Freshworks, que contou com a participação de 2 mil profissionais da área de tecnologia, 86% relatam que suas empresas já estão utilizando a IA Generativa e 51% afirmam que são incentivados ativamente a utilizar a ferramenta no trabalho.

É fato que a IA Generativa representa a inovação mais disruptiva em tecnologia, desde o surgimento da internet. Em nossa empresa compreendemos a grande oportunidade que novas tecnologias como a IA Generativa podem oferecer à medida que projetamos e desenvolvemos soluções inovadoras que atendem às necessidades críticas de nossos clientes e associados. E, segundo um estudo da Universidade de Stanford e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), ela pode aumentar a produtividade dos trabalhadores em até 14%.

Não é difícil entender por que a IA Generativa está causando impacto, pois algumas das ferramentas mais populares atualmente são gratuitas, de fácil uso e acessíveis.

Do ponto de vista de Recursos Humanos, estima-se que o mercado de IA Generativa valerá mais de US$ 1,5 bilhão até 2032. A ferramenta pode ajudar os profissionais de RH a serem mais criativos, produtivos e, ao mesmo tempo, cumprirem com a conformidade de processos em uma área de extrema complexidade nas empresas, endereçando situações desafiadoras no mercado de trabalho.

Por outro lado, o fator humano é crucial na curadoria, sendo essencial garantir que a ferramenta seja usada de forma ética, segura e apropriada.

E, compreendemos também que a ferramenta nunca deverá ser usada sem supervisão. Em última instância, é um ser humano que garante alta qualidade dos serviços prestados.

Isso pode ser comprovado em uma contratação, por exemplo, onde há o risco de que essa tecnologia chegue a conclusões precipitadas. Por exemplo, se os últimos cinco candidatos bem-sucedidos nos processos de seleção forem pertencentes a uma única etnia ou um único gênero, ela pode aprender que esse perfil é do candidato ou candidata ideal, criando uma ação discriminatória em relação a pessoas não representadas na amostra.

Por isso, nossa empresa emprega cientistas de dados que “customizam” os algoritmos de IA para suportar as equipes em suas diversas atividades.

*Claudio Maggieri é general manager para a América Latina na ADP


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.