A história dos índios Tupis da Capela do Socorro

0
2326

Conforme as ocupações e o crescimento da área urbana, índios acabaram voltando para Parelheiros


A região que compreende a Capela do Socorro era, anteriormente, habitada pelos índios Tupis, que tiveram que regressar para a região de Parelheiros. A primeira ocupação europeia é datada em 1827, quando, por meio do Porto de Santos, desembarcaram 120 imigrantes alemães. Esses imigrantes se estabeleceram em parte na região da Capela do Socorro. Infelizmente pouco restou dessa ocupação, remanescendo poucas famílias (Shunk, Reeberg, Rochel, Hessel, Guilger da Silva, etc).

No início do século XX houve o começo do projeto de controle de vazão do Rio Tietê, a região foi beneficiada com retificação do Rio Pinheiros (diminuindo a região alagadiça) e a construção da Represa Guarapiranga (aumentando a oferta de energia). Por advento da seca de 1924, houve a ampliação com a construção da Represa Billings.

Com as novas represas, instalaram diversos equipamentos públicos e privados de lazer (como parques, clubes, áreas de recreação), juntamente com a construção da estrada Washington Luiz e, posteriormente, a Avenida Interlagos e fizeram com que a ocupação do solo e a especulação imobiliária alavancasse durante a segunda metade do século XX. Dois projetos imobiliários que se destacaram foram a Vila Friburgo e a “Interlagos – Balneário Satélite de São Paulo”, esse último construído pela Auto Estradas S.A.

A partir da década de 40, a Subprefeitura Santo Amaro teve um grande aumento de indústrias, passando a acomodar parte do crescimento urbano da cidade, fazendo com que muitos trabalhadores buscassem moradia na Capela do Socorro. Um exemplo dessa ocupação foi a Cidade Dutra, planejada e construída pela Auto Estradas S.A. para atender a demanda residencial, e virou um vetor de desenvolvimento. O desenvolvimento industrial e urbano foi alavancado nas décadas de 50, 60 e 70 com a construção da Marginal Pinheiros e a ampliação e construção de logradouros públicos.

Em 1975, a Lei de Proteção dos Mananciais e a legislação de zoneamento industrial “freou” o desenvolvimento desenfreado, visando controle na qualidade ambiental e de crescimento. Neste período começam os primeiros assentamentos irregulares, principalmente próximo a córregos. Estima-se que atualmente existam 200 bairros irregulares e 220 favelas.

Largo do Socorro em 1936
Originada em uma pequena capela no largo do Socorro, a região expandiu-se e hoje abriga 684.757 habitantes

SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.