Secretaria inicia Plano de Manejo do Refúgio Vida Silvestre Anhanguera

0
1408

A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, inciou no fim do primeiro semestre deste ano a elaboração do Plano de Manejo do Refúgio de Vida Silvestre – RVS Anhanguera, com o objetivo de promover a conservação ambiental. Com 741 hectares de área, trata-se da maior Unidade de Conservação Municipal de Proteção Integral.

A ideia da criação do RVS Anhanguera ganhou forma em 2020, por meio da Plataforma IPT Pró Municípios, que auxilia os gestores públicos na compreensão dos conhecimentos técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, dando embasamento para as tomadas de decisões das cidades paulistas.

Desde então, a Prefeitura recebeu apoio para a formulação de iniciativas de gestão de Unidades de Conservação Municipais, parques e áreas verdes e, assim, surgiu o Termo de Referência que resultou na concepção do plano de manejo do espaço, que compõe a Meta 63, do Programa de Metas da Prefeitura de São Paulo 2021-2024.

O projeto está sendo coordenado pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, em conjunto com o IPT, instituição vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo que foi contratada para o trabalho. A entidade é um órgão público, que se destaca por sua experiência em diferentes áreas de atuação e pela prestação de serviços tecnológicos especializados, focando em pesquisa e desenvolvimento.

Um Grupo de Trabalho Institucional (GTI) foi formado para acompanhar, aprovar e aprimorar as estruturas que integram o plano. Diversas coordenações da SVMA integram a iniciativa: Coordenação de Gestão de Parques e Biodiversidade – CGPABI, Coordenação de Planejamento Ambiental – CPA, Coordenação de Políticas Públicas – CPP e a Universidade Aberta do Meio Ambiente e Cultura de Paz – UMAPAZ.

A gestão e a coordenação geral são de responsabilidade da Divisão de Gestão de Unidades de Conservação – DGUC. O Herbário Municipal – DPHM e a Divisão de Fauna Silvestre – DFS realizam e auxiliam no levantamento e análise do meio biótico, enquanto o IPT é responsável pelo mapeamento e estudos complementares do meio biótico e também físico.

Fauna local

Localizado na região Noroeste de São Paulo, o RVS Anhanguera está conectado pelo Corredor Ecológico Norte da Mata Atlântica (PMMA São Paulo) aos Parques Estaduais do Jaraguá e Cantareira, além da Terra Indígena Guarani – Jaraguá. Também compõe o Polo de Ecoturismo da Cantareira e está inserido na Reserva da Biosfera do Cinturão Verde – RBCV da cidade, que é reconhecida pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O objetivo do plano de manejo é preservar e proteger a fauna local, as espécies migratórias, raras, vulneráveis, endêmicas e ameaçadas de extinção. O RVS compreende uma das principais Áreas de Soltura e Monitoramento dos animais reabilitados pela Divisão de Fauna Silvestre e abriga o Centro de Manejo e Conservação de Animais Silvestres (CeMaCAS) – onde os animais silvestres recebem atendimento veterinário quando feridos, vitimados, órfãos ou apreendidos em ações de combate ao tráfico. Eles são levados para a reabilitação, triagem e reintrodução, devolvendo-os a natureza, quando possível a seus locais naturais de origem.

O RVS Anhanguera possui elevada riqueza de fauna, constatada pela presença das 382 espécies já registradas, sendo 172 de aves, com destaque para falcão-de-coleira, acauã, gralha-do-campo, tietinga, maitaca, jacuaçu, coró-coró, inhambu-guaçu e inhambu-chitã. Dentre as aves endêmicas de Mata Atlântica estão o papa-taoca-do-sul, arapaçu-rajado, tangará e sanhaçu-de-encontro-amarelo.

Há também grande diversidade de beija-flores, como o pequenino estrelinha-ametista, o beija-flor-preto e o beija-flor-de-fronte-violeta, que visitam as flores de malvavisco. Entre as 32 espécies de mamíferos catalogadas constam morcegos, furão, quati, cachorro-do-mato, veado-catingueiro, capivara, tatu, preá, tapiti, cuíca e caxinguelê.

Entre os felinos, foram registradas três espécies ameaçadas de extinção: jaguatirica, gato-mourisco e a onça-parda ou suçuarana, o segundo maior felino da América do Sul e o animal símbolo da cidade de São Paulo.


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.