Quem manda na obra são elas

0
456

Ainda são muitos os ecossistemas de trabalho em que predominam valores masculinos, e o setor de construção segue sendo um ícone disso. Afinal, que outro cenário remete tanto a testosterona quanto a imagem de um canteiro de obras? Ao longo de muitas décadas, o clima nesse mercado foi de “menina não entra”, quase como nas superstições que assombravam os antigos marinheiros, para quem mulher no navio era sinônimo de azar.

Mas, felizmente, meninas são teimosas e não desistem do sonho – tão antigo e tão atual – de igualdade. E, para provar nossa capacidade, temos a História em nosso favor. Na ausência dos homens durante a Segunda Guerra Mundial, foram as mulheres londrinas que ergueram a Ponte de Waterloo, eternizada nos quadros de Monet. Lina Bo Bardi, Tomie Ohtake e Rosa Kliass são, sem dúvida, três das principais referências arquitetônicas da cidade de São Paulo, coração financeiro do Brasil.

Também em São Paulo, estamos demolindo o paradigma de que chefiar obra não é coisa para mulher. Em uma startup dedicada a reformas de apartamentos novos, mais de 80% das obras são tocadas por gestoras do sexo feminino. O esforço cotidiano é de transformar práticas e noções para que, no futuro, as próximas gerações possam entrar em um mercado de construção mais igualitário.

Nosso desafio é gigantesco. No mundo lá fora, até hoje, a maioria das mulheres empregadas pelo setor atuam em funções de organização, têm cargos administrativos ou trabalham na limpeza. Transformar isso é modificar os fundamentos de uma estrutura arcaica e já bastante comprometida; é reformar, do piso ao teto, toda uma lógica de mercado para erguer novas oportunidades e, sobretudo, instalar imediatamente mais respeito.

No dia-a-dia de uma gestora de obras, um inadequado “oi, linda” pode facilmente escapar da boca de um homem em substituição ao necessário “bom dia”. Uma cobrança de trabalho pode aflorar egos masculinos feridos ou despertar olhares de “o que é que essa menina quer?” E, todo dia, é dia de não baixar a cabeça.

Somos muitas e estamos construindo os novos alicerces com firmeza. Lugar de mulher é no canteiro de obras, sim, porque lugar de mulher é onde ela quiser. E, por aqui, quem manda na obra são elas!


GABRIELA COUTO tem 25 anos, é arquiteta e responsável pela seleção de profissionais de gestão de obras da Decorati, startup especializada em reforma de apartamentos que já entregou mais de 600 projetos executados, com mais de 80% das obras geridas por mulheres. Hoje, o time coordenado por Gabriela conta com 38 gestoras de obras.

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.