Polícia interrompe festa clandestina em Interlagos

0
29

Mesmo com as medidas de restrição que impedem aglomerações durante a pandemia, mais de 50 pessoas, a maioria sem máscara, estavam festejando numa boate da Av. Atlântica, em Interlagos. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, até o último domingo (21), 619 festas clandestinas foram encerradas em todo o Estado, desde o dia 26 de fevereiro


Na madrugada do último domingo (21), o Comitê de Blitze do Governo de São Paulo interrompeu uma balada clandestina em uma casa noturna da Av. Atlântica, em Interlagos. Mesmo com as medidas de restrição que impedem aglomerações durante a pandemia, mais de 50 pessoas, a maioria sem máscara, estavam festejando na boate El Divino Bar.

“Foram flagradas entre 50 e 100 pessoas, sistema de som, muita bebida, tudo preparado pra uma festa pra pelo menos 200 pessoas”, informou a Polícia. No momento em que os agentes chegaram, a boate estava trancada com cadeado.

Na equipe de fiscalização estavam integrantes das Polícia Civil e Militar, e da Vigilância Sanitária, que verificaram o desrespeito às regras de saúde pública.

O Procon-SP autuou os responsáveis pelo evento por infração de medida sanitária preventiva. “Conseguimos identificar que o faturamento da empresa, anual, é de um milhão de reais. Não é o momento de fazermos festas. O momento é dramático”, informou o Procon.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, até o último domingo (21), 619 festas clandestinas foram encerradas em todo o Estado, desde o dia 26 de fevereiro. Isso representa cerca de 26 festas diárias que foram interrompidas durante a pandemia.

“O descumprimento das regras sujeita os estabelecimentos a autuações com base no Código Sanitário, que prevê multa de até R$ 290 mil. Pela falta do uso de máscara, que é obrigatória, a multa é de R$ 5.278 por estabelecimento, por infrator. Transeuntes em espaços coletivos também podem ser multados em R$ 551,00 pelo não uso da proteção facial”, informa o Governo de São Paulo.

DENÚNCIAS DE AGLOMERAÇÕES

A Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo recebeu mais de 23 mil denúncias de aglomerações, festas clandestinas e falta do uso de máscara apenas nos primeiros 15 dias do mês de março.

As 23.315 denúncias representam uma denúncia recebida a cada 56 segundos ou 1.554 denúncias registradas por dia.

Essa explosão de reclamações é muito diferente do ano passado quando, em agosto, o órgão estadual recebeu apenas 1.521 denúncias de aglomerações.

Qualquer munícipe pode reclamar sobre o desrespeito as regras da pandemia pelo telefone: 0800 771 3541.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.