ARTIGO | O bullying não poupa ninguém

0
462
O bullying na infância e na adolescência tem um papel devastador na formação dos jovens

Mais uma vez, como um roteiro que se repete, o país testemunha um ataque violento em uma escola. Agora, no município de Cambé, no Paraná, onde um homem de 21 anos entrou no Colégio Estadual Professora Helena Kolody e fez disparos com uma arma de fogo, antes de ser contido por um funcionário e preso.

Nos últimos 20 anos, foram 24 ataques do gênero no Brasil. Foi no Rio de Janeiro que, em 2011, um homem, ex-aluno, se apresentou em uma escola de Realengo e matou 12 crianças.

Diversos fatores são apontados como catalisadores para esse tipo de ataque. Facilidade para comprar armas de fogo, acesso irrestrito a conteúdos violentos na internet e distúrbios mentais são muito apontados.

Mas um fator une os massacres: os autores alegaram vingança após anos de bullying sofrido nas escolas.

No Rio, o criminoso cometeu suicídio ainda dentro das escolas. No Paraná, após tirar a vida de um casal de namorados, o atirador foi encontrado morto na cadeia, aparentemente após se enforcar.

O bullying na infância e na adolescência tem um papel tão devastador na formação desses jovens que, mesmo após anos, eles guardam o sentimento de humilhação e vingança.

Na idade adulta, sofrendo com os transtornos mentais decorrentes da violência psicológica recorrente durante anos, voltam à escola onde vivenciaram o abuso e descarregam seu ódio sobre crianças inocentes para, enfim, tirar a própria vida.

Ampliar a segurança nas escolas trata a consequência, mas não elimina a origem.

O Brasil precisa – urgentemente – implantar adequadamente as medidas preventivas e corretivas previstas pela Lei 13.185/2015, a Lei do Bullying.

Escolas, pais e professores precisam estar preparados para identificar e neutralizar casos de bullying e cyberbullying.

O bullying não pode ser tratado como um simples tema de palestra, uma vez por ano. Além da própria instituição, professores e diretores podem ser responsabilizados em caso de omissão, como ocorreu na última semana com um diretor de São Paulo, afastado de seu cargo por não ter respondido de maneira adequada ao bullying sofrido por uma aluna de 6 anos.

É preciso conscientizar a sociedade de sua responsabilidade no combate ao bullying. Sem isso, estamos apenas aguardando onde e quando o próximo capítulo dessa triste história vai acontecer.

Ana Paula Siqueira, sócia do Siqueira Lazzareschi de Mesquita Advogados, mestre em Direito Civil


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.