Animais sinantrópicos: saiba quais são os principais e as doenças que transmitem

0
1101

Sinantropia é a habilidade que certos animais silvestres (de mamíferos até insetos) possuem de frequentar o ambiente urbano e as habitações humanas, muitas vezes, veiculando doenças. Entre os animais sinantrópicos mais comuns em cidades como São Paulo estão alguns velhos conhecidos, como barata, aranha, mosca, mosquito, pulga, carrapato e pombo, e outros que, embora menos frequentes, exigem atenção, como escorpião e morcego.

Na cidade de São Paulo, o controle e as orientações sobre essa fauna são atribuições da Divisão de Vigilância de Zoonoses (DVZ), órgão que integra a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). A DVZ é responsável pelo controle de doenças e agravos transmitidos tanto por animais sinantrópicos quanto domésticos, como cães e gatos. Possui em sua estrutura o Laboratório da Fauna Sinantrópica, responsável pela identificação de animais sinantrópicos coletados no meio urbano.

Dengue, febre amarela, Chikungunya raiva, leptospirose, febre bubônica, criptococose, salmonelose são algumas doenças transmitidas pelos animais sinantrópicos.

Alguns destes animais são classificados como peçonhentos, pois podem injetar veneno em suas presas (aranha, escorpião, vespa e abelha, por exemplo), outros são considerados pragas pela capacidade de transmissão de doenças (mosquitos, ratos, pombos urbanos) e outros cumprem um importante papel na natureza, como morcegos e abelhas, e devem ser preservados.

A melhor forma de combater a presença dos animais sinantrópicos é por meio do controle dos chamados “quatro As”: água, alimento, abrigo e acesso, necessários para sua sobrevivência.

Veja mais sobre alguns animais sinantrópicos presentes na cidade de São Paulo:

Mosquito Aedes aegipty

O mosquito Aedes aegypti pode transmitir dengue, zika, chikungunya e febre amarela para o homem. A principal doença transmitida por esse mosquito em São Paulo é a dengue. Quando uma fêmea do Aedes aegypti pica uma pessoa com dengue, adquire o vírus e após alguns dias, ao picar outras pessoas, pode transmitir a doença.

A fêmea tem hábito diurno, pode picar várias pessoas em um mesmo dia e não faz zumbido como o pernilongo comum. Coloca seus ovos em locais com água parada e limpa, chamados de criadouros como: pratos de vasos, caixas d’água, pneus, latas, garrafas e outros. Os ovos são colocados próximos à superfície da água e ficam presos firmemente à parede interna do recipiente. Não são visíveis e são muito resistentes, podendo sobreviver até um ano sem água. Nesta fase podem ser transportados em diversos recipientes por longas distâncias. Por isso é importante eliminar esses criadouros.

Baratas

Os tipos de baratas mais comuns no ambiente doméstico são a baratas de esgoto, que vive em galerias de esgoto, caixas de gordura, fendas em estruturas de alvenaria ou madeira, e a barata-alemãzinha, que se cria em frestas, móveis e eletrodomésticos, principalmente dentro das casas. Estes insetos possuem hábito noturno, preferindo locais quentes e úmidos, onde haja alimento disponível.

Por carregarem agentes patógenos através de seu corpo, as baratas domésticas são responsáveis pela transmissão de várias doenças, principalmente gastroenterites. As medidas preventivas devem interferir nas condições de abrigo, alimento e acesso, como manter os alimentos guardados em recipientes fechados e conservar armários e despensas fechadas limpos e sem restos de alimentos.

Escorpiões

Na cidade de São Paulo apenas três espécies de escorpiões são consideradas de importância em saúde pública: o amarelo, o amarelo do nordeste e marrom. São animais que podem ferroar e causar acidentes graves, sendo crianças e idosos mais sensíveis ao veneno do escorpião. Os escorpiões ocorrem em áreas verdes, parques, cemitérios, terrenos baldios, linhas de trem, em galerias de esgoto, bueiros de águas pluviais e de instalações elétricas, em meio a materiais de construção e entulhos e nas margens de córregos.

Os escorpiões são animais de hábito noturno, mais ativos na primavera e no verão, quando nascem os filhotes (15 a 20 por ninhada) e costumam caçar insetos, sendo a barata seu principal alimento na cidade. Para evitar acidentes, é importante manter as áreas externas livres de sujeira e entulho, vedar frestas em paredes, muros e piso, além de preservar seus predadores naturais, como louva-a-deus, sapo, coruja, gavião e lagartixa.

Morcegos

Os morcegos são os únicos mamíferos que voam e estão presentes em áreas rurais e urbanas. De hábitos noturnos, são protegidos por lei pela grande importância na natureza, uma vez que ajudam no controle de insetos noturnos e espalham sementes e frutos, colaborando na recuperação de áreas degradadas. Vale ressaltar que os morcegos que se alimentam de sangue não estão presentes no ambiente urbano.

Todas as espécies de morcego podem adquirir e transmitir doenças para o homem e outros animais. As principais são a raiva, transmitida principalmente pela mordida de mamíferos infectados ou doentes, e a histoplasmose, transmitida pela inalação, em ambiente fechados, de fungos presentes nas fezes de morcegos. Estes mamíferos costumam abrigar-se em locais como forro, porão, lareira, copas e cascas de árvores. Caso alguém encontre um morcego vivo ou morto caído no chão, é importante não tocá-lo, e contatar a Central 156. A retirada deve ser realizada por profissionais especializados e legalmente autorizados.

Pombos

Os pombos são aves de origem europeia, mas encontradas no mundo todo. Nas cidades, abrigam-se e constroem seus ninhos em locais altos como prédios, torres de igreja, forros de casas e beirais de janelas, alimentando-se preferencialmente de grãos e sementes, além de restos de alimentos. A alimentação fornecida por pessoas em locais como praças e parques acarreta considerável aumento dessa população. Um casal de pombos pode ter de cinco a seis ninhadas por ano.

Estas aves servem como hospedeiras para parasitas como bactérias e fungos, causadores de doenças como criptococose, histoplasmose e ornitose, que são transmitidas por meio da inalação de poeira contendo fezes de pombos secas e contaminadas. Fezes contendo agentes infecciosos também podem contaminar alimentos, infectando humanos com a salmonelose, por exemplo.

Ratos

Os roedores são mamíferos de hábitos noturnos e possuem habilidades, como nadar, subir em locais altos, saltar, equilibrar-se em fios e mergulhar. Roem diversos tipos de objetos e contaminam o ambiente com urina, fezes e pelos, representando grande risco à saúde. Podem ter até 12 ninhadas por ano e alimentam-se principalmente do lixo doméstico. Vivem em locais como quintais e jardins, telhados, galerias de esgotos e até mesmo em locais como fogões e armários, no caso dos camundongos.

Entre as doenças transmitidas pelos ratos urbanos estão a leptospirose, peste bubônica, tifo murino, hantavirose, salmonelose, sendo comuns também acidentes causados pela mordedura desses animais. A leptospirose é uma doença grave, causada por bactéria da espécie Leptospira interrogans, presente na urina do rato e que pode levar à morte o ser humano e animais domésticos. O principal meio de evitar a presença de roedores é o cuidado com o lixo e com a limpeza do ambiente doméstico e áreas externas da casa.

Carrapatos

Os tipos mais comuns de carrapatos na cidade de São Paulo são o carrapato-vermelho-do-cão, parasita de cães domésticos e eventualmente outros animais, que raramente parasita o homem e que podem infestar também o ambiente, o carrapato-estrela, que parasita cavalos, capivaras e eventualmente outros animais, inclusive o homem. Este tipo pode estar presente em terrenos baldios e praças. Já o carrapato-amarelo-do-cão ocorre em áreas de mata atlântica, como parques e reservas florestais, usualmente parasitando animais silvestres. Os cães, ao visitarem estas áreas, podem infestar-se, levando os carrapatos para outros locais, parasitando acidentalmente o homem.

Devido ao hábito de se alimentarem de sangue (hematofagia), os carrapatos podem transmitir doenças para o homem como a febre maculosa (carrapato-estrela e carrapato-amarelo-do-cão); também transmitem doenças causadas por bactérias e vírus aos animais domésticos.


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.