Ações da Saúde reduzem registros e mortes por leptospirose na capital

0
89

Comparativo dos últimos dois quinquênios mostra que óbitos caíram 50% e registros de casos, 22,5%; análise pelo padrão da OMS também é positiva 


A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) tem fortalecido ações de combate à leptospirose, doença causada pela urina dos ratos e com maior incidência em períodos chuvosos. A iniciativa tem rendido bons resultados. Todos os números analisados apresentam queda no comparativo dos últimos cinco anos com o quinquênio imediatamente anterior. O destaque é a redução de aproximadamente 50% nas mortes no confronto dos dois períodos: 133 (2012 a 2016) para 67 (2017 a 2021).  

No período de 2012 a 2016, foram registrados 934 casos de leptospirose na cidade, que resultaram em 133 óbitos. Já entre 2017 e 2021, foram 723 registros e 67 mortes. A redução de óbitos na comparação dos dois períodos foi de 50%, enquanto a queda de registros da doença foi de 22,5%.  

A Organização Mundial da Saúde (OMS) utiliza o padrão de mensuração de incidência da doença a cada 100 mil habitantes, que também apresentou queda significativa no município nos dez anos analisados (separados, para essa análise, em dois períodos de cinco anos cada). De 2012 a 2016, esses índices oscilaram entre 2 e 1,37. Já no período de 2017 a 2021, os índices ficaram entre 1,54 e 0,89. 

Na análise do período mais recente, os números são ainda melhores. Em 2019, o índice de confirmação da doença nesse universo de 100 mil foi de 1,6. Em 2020, esse número caiu para 0,97. Em 2021, foi registrada nova queda, para 0,89.  

Os responsáveis acreditam que os números positivos dos últimos anos estão relacionados ao trabalho intensivo da administração municipal contra os roedores. “Nós aproveitamos o confinamento das pessoas no momento mais crítico da pandemia para intensificar o trabalho nas ruas. Nesse período, houve uma força-tarefa de controle de roedores em áreas sujeitas à ocorrência de leptospirose, o que certamente pode ter influenciado no declínio das ocorrências”, afirma Gladyston Carlos Vasconcelos Costa, biólogo que atua como analista em saúde do Núcleo de Vigilância, Prevenção e Controle de Fauna Sinantrópica do município.  

“Esse coeficiente de incidência de 0,89, do ano passado, é o menor já registrado na cidade desde que acompanho os índices”, complementa Costa. Neste ano de 2022, até 31 de março, foram registrados 49 casos da doença, com coeficiente de 0,4 e dois óbitos.  

Ofensiva contra os ratos 

Os técnicos atuam identificando áreas críticas e, a partir daí, executam uma série de ações de controle e combate, em um trabalho em parceria que envolve diversas áreas da prefeitura. O raticida utilizado na cidade é um produto de última geração, com ação lenta para evitar acidentes com pessoas e animais domésticos. São utilizadas cerca de quatro toneladas do produto a cada ano. “Colocamos em bueiros, nas margens dos córregos, em galerias, terrenos baldios e outras áreas abertas”, informa Costa. 

O biólogo da SMS acrescenta que, no passado recente, não foi possível fazer a tradicional orientação casa a casa por causa das restrições impostas pela pandemia, mas os moradores de áreas vulneráveis foram orientados por internet, telefone e materiais impressos. Também foram aperfeiçoados os mapeamentos desses locais e técnicos passaram por treinamentos de revisão do controle de roedores.  

Foram identificadas recentemente 450 áreas sujeitas a alagamentos por meio do Programa de Vigilância e Controle de Leptospirose e Roedores do Município de São Paulo, que apresentam maior potencial de incidência da doença. Para delimitação das ações, também são analisados fatores como densidade populacional e indicadores epidemiológicos de ocorrência da enfermidade. Nesses locais – comunidades e loteamentos carentes, cortiços e demais moradias precárias – há ações no ano inteiro, não somente no período de chuvas intensas.  

As equipes da Coordenaria de Vigilância em Saúde (Covisa) promovem interações constantes com as subprefeituras, indicando a necessidade de coleta de lixo regular, corte de mato e desassoreamento de córregos. Os moradores dessas regiões são incentivados a manter os entornos das moradias limpos após as ações da prefeitura, entre outros cuidados para que não fiquem expostos à leptospirose, a exemplo do hábito de usar água sanitária para higienização do ambiente e de pertences.  

Portanto, são fundamentais no pacote de ações o processo educativo e a melhoria geral dos ambientes de risco. Entre as atividades orientadas nessas áreas, destacam-se ainda o diagnóstico e a busca ativa de casos de leptospirose, o monitoramento do grau de infestação por roedores e de casos suspeitos e positivos. 

Diagnóstico e tratamento 

Os sintomas mais frequentes da leptospirose são febre, dor muscular (principalmente nas panturrilhas) e intensa dor de cabeça, além de sinal de sangramento nos olhos, que ficam muito vermelhos. Tais eventos são precedidos pela exposição a áreas alagadas, à lama ou ao esgoto em locais com presença de roedores, principalmente após fortes chuvas. Os sintomas surgem, em média, de 5 a 14 dias após a exposição ao risco, mas podem demorar até 30 dias. 

De acordo com a equipe do Núcleo de Doenças Transmitidas por Vetores e outras Zoonoses, o paciente precisa observar se esteve exposto às situações de risco, considerando que os sintomas iniciais são comuns a outras doenças, como a dengue. A unidade de saúde mais próxima deve ser procurada imediatamente se houver agravamento dos sintomas, como dificuldade de respirar, tosse, alterações urinárias, fenômenos hemorrágicos, hipotensão (pressão baixa), alterações no nível de consciência, vômitos frequentes, arritmias e icterícia (pele e mucosas amareladas). 

Carolina Scarpa Carneiro, médica veterinária e coordenadora do núcleo, ensina como se prevenir. “O cidadão deve evitar ao máximo se expor a situações de risco. Quando não for possível, deve fazer uso de proteções como luvas e botas impermeáveis e, na ausência destes, usar sacos ou sacolas duplas amarradas em mãos e pés. Ela esclarece, ainda, que leptospirose não se transmite de pessoa para pessoa. Somente pelo contato com a urina do roedor.” 

Já sobre a abordagem do paciente com suspeita de leptospirose, o médico e analista em saúde do município José Antônio Tonon informa que é necessário fazer um exame físico que inclui coleta de amostras clínicas para os testes diagnósticos específicos. 

Depois, os profissionais de saúde acompanham os resultados dos exames inespecíficos que auxiliam no esclarecimento final. “A antibioticoterapia é indicada sempre que há suspeita do diagnóstico de leptospirose e pode ser iniciada em qualquer período da doença, mas sua eficácia parece ser maior na primeira semana do início dos sintomas”, afirma, deixando clara a importância de procurar o serviço de saúde logo que os primeiros sinais da doença surgem. 


SUGESTÕES DE PAUTA: reportagem@gruposulnews.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.